Seguros do Barclays – Vendidos a Bankinter e Mapfre

29 de Dezembro, 2015 | por CFinanceiro

A venda dos seguros do Barclays, por 75 milhões, está a ser analisada pela Autoridade da Concorrência. Quem quiser comentar a operação, pode fazê-lo nos próximos dez dias úteis. O Bankinter espera concluir toda a operação em 2016.

A Autoridade da Concorrência já está a analisar a compra da actividade de seguros do Barclays em Portugal pelos espanhóis Bankinter e Mapfre. A operação insere-se na saída do banco britânico da área de retalho nacional. Ainda não há novidades sobre a outra parte do negócio, que envolve a venda do negócio bancário tradicional do Barclays ao Bankinter.
“A operação de concentração em causa consiste na aquisição, pelo Bankinter Seguros de Vida, Seguros e Reseguros, do controlo exclusivo de activos do Barclays Vida y Pensiones Compañia de Seguros, sucursal em Portugal”, assinala o aviso da Concorrência publicado em jornais portugueses esta segunda-feira, 28 de Dezembro.
A empresa compradora é detida, em partes iguais, por dois grupos espanhóis: o banco Bankinter e a seguradora Mapfre. A companhia que está a ser adquirida é a do negócio segurador, do ramo vida, do Barclays. A operação é concretizada por 75 milhões de euros, sendo que o esforço é repartido, em partes iguais, pelo Bankinter e pela Mapfre. A sucursal do ramo vida do Barclays registou um lucro líquido de 12,7 milhões de euros em 2014.
Qualquer interessado em pronunciar-se sobre a operação tem 10 dias úteis para fazer chegar a sua opinião. Normalmente, é um período habitual para que os concorrentes façam notar a sua perspectiva sobre o negócio. O Santander Totta, que tem capitais espanhóis tal como o Bankinter, já se pronunciou publicamente dizendo não recear a concentração: “Sai um concorrente, entra outro”, afirmou António Vieira Monteiro em Novembro.
Este negócio é um dos dois que envolve a saída do Barclays dos negócios bancário e segurador tradicionais em Portugal: a outra parte é a compra, por 100 milhões de euros, apenas pelo Bankinter, dos clientes e da rede de 84 agências que o banco britânico tem em Portugal. Na operação, transitam igualmente 1.002 colaboradores. O Barclays ficará, em Portugal, apenas com multinacionais e grandes clientes.
Fonte: www.jornaldenegocios.pt

Partilhe este artigo

Facebook Twitter Email LinkedIn Reddit WhatsApp Telegram

Santander declara 'guerra dos spreads' ao BCP e CGD

14 de Setembro, 2015 | por CFinanceiro

O Santander Totta cortou o custo mínimo de financiamento para 1,75%, igualando as taxas mais baixas do mercado.

Para quem está à procura de crédito à habitação, passam agora a ser três os bancos com os empréstimos mais ‘baratos’: Santander, BCP e Caixa Geral de Depósitos. A diferença nota-se apenas nos prazos de Euribor indexados aos créditos: enquanto o Santander apenas utiliza como referência a taxa a um ano, CGD e Millennium concedem empréstimos indexados à taxa a seis meses.
Não dispense o aconselhamento de uma equipa de especialistas

De acordo com o Jornal de Negócios, a taxa mínima não deve ser tomada como referência para todas as situações, sendo apenas aplicada em casos de clientes com depósitos e outros produtos financeiros no respetivo banco.

Graças aos baixos custos de financiamento, o crédito à habitação atingiu este ano os níveis mais altos desde 2011. De acordo com dados do Banco de Portugal, os bancos já concederam 2.065 milhões de euros de empréstimos para a compra de casa desde janeiro.

CONSELHOS PARA POUPAR NO CRÉDITO HABITAÇÃO


Partilhe este artigo

Facebook Twitter Email LinkedIn Reddit WhatsApp Telegram

Compensa ter o seguro vida do crédito habitação no Santander?

19 de Setembro, 2014 | por CFinanceiro

Ter o seguro vida do crédito habitação no Santander,  normalmente dá uma bonificação no spread.

Apesar de bonificar com a contratação do seguro de vida do crédito habitação Santander, a Instituição permite que o cliente faça outro produto para manter a bonificação, por exemplo um PPR ou cartão de crédito.

Compensa ter o seguro vida do crédito habitação Santander? Não!
A cobertura exigida pelo Santander Totta é IAD (Invalidez Absoluta e Permanente) com taxa de cobertura de 100% para cada um dos proponentes.  Nós recomendamos a cobertura ITP (Invalidez Total e Permanente), é a cobertura mais completa mas nesta situação vamos usar a cobertura que o Santander Totta exige!
Invalidez Absoluta e Definitiva (IAD) – A incapacidade, resultante de acidente ou doença, que tenha carácter definitivo e que impossibilite a pessoa segura de exercer qualquer ocupação remunerada, exigindo o recurso à assistência de uma terceira pessoa para a satisfação das suas necessidades vitais, tais como locomover-se, vestir-se, lavar-se e alimentar-se (o que vulgarmente é designado de “estado vegetativo”).
Invalidez Total e Permanente (ITP) – A incapacidade, resultante de acidente ou doença, com um grau de desvalorização superior a 66%, de acordo com a Tabela nacional de Incapacidades, que impeça a pessoa de exercer uma actividade remunerada de forma total e definitiva, ou seja, esta opção engloba não só a cobertura que garante de Invalidez Total e Permanente como também a cobertura de IAD
Leia também: Compensa ter o seguro vida do crédito habitação no BCP?
Para o ajudar na sua gestão financeira, fizemos 3 simulações para as idades de 35, 40 e 45 dos proponentes, para um financiamento de 100.000€.
Verifique como compensa fazer o seguro vida do crédito habitação Santander “fora” do banco.
 
 

seguro vida do crédito habitação no Santander

Outras comparações(2018):
Millennium BCP – COMPENSA TER O SEGURO VIDA DO CRÉDITO HABITAÇÃO NO MILLENNIUM BCP?
Santander Totta – COMPENSA TER O SEGURO VIDA DO CRÉDITO HABITAÇÃO NO BANCO SANTANDER TOTTA?
Banco CTT – COMPENSA TER O SEGURO VIDA DO CRÉDITO HABITAÇÃO NO BANCO CTT?
Não perca mais tempo comece já a poupar no seu seguro vida, peça já uma simulação e POUPE MILHARES de EUROS!


Partilhe este artigo

Facebook Twitter Email LinkedIn Reddit WhatsApp Telegram

Conselhos para poupar no crédito habitação

20 de Junho, 2014 | por CFinanceiro

Conselhos para poupar no crédito habitação

Acima de tudo é preciso estar informado das condições de várias instituições financeiras. Esse é o primeiro passo para começar a poupar no crédito habitação logo desde início, o que se torna fácil se recorrer aos serviços de especialistas. 
 
  • Spread – O mais conhecido de todos, no fundo esta taxa representa a rentabilidade e o risco que o banco está a assumir ao disponibilizar o crédito. É importante ter um bom spread mas há mais factores importantes.
  • TAE – A taxa anual efectiva representa o custo total do empréstimo, pois inclui indexante (Euribor), spread e outros custos como seguros, portanto, quanto mais baixa, mais está a poupar. Embora deve ter atenção que muitas vezes pode estar a comparar coisas diferentes, basta por exemplo que a cobertura do seguro vida não seja a mesma.
  • Adesão a outros produtos – Normalmente os bancos oferecem as melhores taxas a quem adere a uma maior quantidade de produtos da instituição, nomeadamente, cartões de crédito, seguros, PPRs e outros. Tem que fazer contas e perceber se compensa usufruir das taxas baixas com todos esses encargos adicionais, ou então não aderir aos produtos e ter uma taxa mais alta. Os seguros vida do crédito normalmente é um dos produtos que compensa fazer fora do banco.  É necessário perceber de qual das formas o crédito fica mais barato
  • Amortizar – Existem duas boas alturas no ano para o fazer. Na altura dos subsídios de Natal e de férias. Isto vai permitir-lhe reduzir o prazo e os juros do empréstimo. Embora deve sempre fazer contas ao que pode rentabilizar caso invista esse dinheiro em vez de amortizar. Na nossa opinião o facto de ter liquidez também é importante, se conseguir ter melhores condições ao investir ou até iguais, não amortize.

Partilhe este artigo

Facebook Twitter Email LinkedIn Reddit WhatsApp Telegram

Calculadora de Taxa de Esforço