Como ter uma saúde de ferro, gastando pouco

11 de Junho, 2016 | por CFinanceiro

Saúde é uma condição que todos os seres humanos almejam.

Ter saúde significa capacidade para realizar as tarefas diárias. A saúde da carteira também é importante, porque dá a possibilidade de comprar os tão necessários alimentos que precisamos para ter força.
Aposte numa alimentação saudável. Como já é mais do que sabido, evite comer alimentos prejudiciais, além de serem mais caros, prejudicam o seu corpo. Opte por uma alimentação mais à base de peixe do que de carne. Se não consegue abdicar desta última, saiba que as carnes brancas são as mais recomendadas. Não se esqueça de incluir, os cereais, os produtos hortícolas e a fruta. Se tiver um quintal, opte por ter árvores de frutos e uma pequena horta. Aposte nos produtos biológicos por sua conta. Já os doces e as chamadas comidas fast-food não acrescentam nada à sua alimentação que se quer saudável.
Para aliar a alimentação saudável à poupança, são necessárias também algumas regras, como por exemplo elaborar uma lista de compras antes de ir ao supermercado. Uma regra que deverá começar a cumprir. Hoje é sempre um bom dia para começar a escrever o que realmente precisa. Se fizer isto, e também um menu semanal ou mensal, irá dirigir-se apenas às secções que realmente precisa. Se junto à sua casa há um mercado de confiança, aproveite para comprar os produtos frescos, até porque a relação qualidade/preço costuma ser melhor nestes locais, face à dos supermercados. Antes de avançar com a compra, nas superfícies comerciais, certifique-se que as promoções são mesmo em conta, por vezes são enganosas.
Outra excelente forma para poupar na sua carteira, é evitar comer fora, até porque acaba por meter o pé na argola quando faz as suas escolhas. Evite este “pecado”. Por exemplo, se almoça fora de casa, aproveite para levar a já tão famosa marmita. Irá conseguir uma boa poupança no final do mês, ao mesmo tempo que estará a evitar mudar os hábitos de alimentação saudável.
Junte a uma boa alimentação, exercício físico. Diz quem sabe que bastam 30 minutos diários de atividade física para cuidar não só do corpo como da mente. Irá dar-lhe responsabilidade por uma alimentação saudável. De que vale querer ter um corpo saudável, se não tem preocupações com a alimentação? De nada, certamente… Até aqui poderá poupar dinheiro, uma vez que não terá de procurar um nutricionista. Pratique exercício físico na rua, assim não terá de gastar dinheiro em ginásios.
Vícios, como o tabaco e o álcool, também não abanam em nada a seu favor. Além do dinheiro que gasta, prejudica fortemente a sua saúde. Faça um compromisso consigo. Procure estipular datas. Numa semana faz o menu, na outra começa a realizar exercício e depois largue os vícios, para os quais tem de despender muito dinheiro. A saúde física e da carteira também depende destes fatores. Aproveite o dinheiro que poupa para gastar numas férias ou em algo que deseja há já muito tempo.
Parte das famílias portuguesas já tem seguros de saúde. A questão que se levanta é seguinte: será que precisa realmente de todos os benefícios que o seguro de saúde apresenta? Se seguir algumas das propostas que lhe temos deixado, certamente poderá ter um seguro de saúde ajustado às suas reais necessidades.
A juntar a esta lista de dicas, terá também as suas, que poderá partilhar nos comentários deste artigo. Praticar uma alimentação saudável poderá parecer cara à primeira vista, no entanto, o tempo acabará por dar razão, porque estará a evitar despesas desnecessárias.
Nas páginas dos Conselhos de Consultor fica ainda a saber quais os supermercados onde pode comprar mais barato, bem como outras dicas para poupar na alimentação.
Tenha uma saúde de ferro gastando pouco dinheiro. O importante é consciencializar-se das alterações que tem de fazer no seu dia-a-dia. A partir daí tudo se tornará mais simples.


Partilhe este artigo

Facebook Twitter Email LinkedIn Reddit WhatsApp Telegram

(Atualiazação)Tem de pedir as despesas de saúde em faturas separadas

21 de Maio, 2015 | por CFinanceiro

Os produtos e serviços de saúde que pagam IVA a 23% vão voltar a ser aceites como despesa de saúde desde que tenham sido adquiridos mediante receita médica. Esta medida consta de uma proposta de alteração apresentada pelos partidos da maioria e apresentar de entrar em vigor só nas próximas semanas vai permitir que sejam consideradas como dedutíveis as faturas emitidas a partir de janeiro.(Atualização)
Como sabe as despesas de saúde com IVA a 23% deixaram de ser dedutíveis, mesmo que prescritas, ao contrário do que acontecia até ao ano passado, em que os contribuintes podiam deduzir 10% dessas despesas de saúde, até ao limite de 65 euros, desde que tivessem receita médica. Passaram a ser dedutíveis apenas as despesas de saúde com IVA a 6%.
Ao comprar na farmácia um artigo com IVA à taxa (6%) e outro com a taxa (23%), “será tudo classificado como despesas gerais” na declaração de rendimentos, alerta o Fisco.
Leia também: Preciso pedir senhas do Portal das Finanças para os meus filhos?
Para “contornar” esta situação, o contribuinte ao pedir uma fatura na farmácia onde constem produtos sujeitos a 6% e a 23%, terá de pedir um recibo separado para cada taxa de IVA. Foi este o esclarecimento do Fisco, a um contribuinte que questionou a Autoridade Tributária e Aduaneira (AT), a que o Diário Económico teve acesso.
O presidente do Sindicato dos Trabalhadores dos Impostos, Paulo Ralha, reagiu ao Correio da Manhã, dizendo que esta regra de separação das faturas “vai dar uma enorme confusão”, adiantando de seguida que ainda está à espera, por parte do Fisco, de “uma resposta cabal [sobre] como proceder”.


Partilhe este artigo

Facebook Twitter Email LinkedIn Reddit WhatsApp Telegram

Calculadora de Taxa de Esforço