Como Pouparam 30.000€ por Transferir Crédito Habitação

9 de Abril, 2019 | por CFinanceiro

Mais um testemunho que nos chega, de quem teve ajuda dos nossos parceiros a transferir o crédito habitação.

É importante para nós perceber que trabalhamos com os parceiros certos, e assim continuar ajudar milhares de pessoas que nos seguem! Como foi de mais este casal que poupou imenso por transferir o crédito habitação.

O que mais valorizamos, tanto na parceria de crédito habitação, como na parceria de seguro vida do crédito habitação, é a experiência! Falamos de profissionais com mais de 12 anos no mercado do crédito habitação, ainda complementada com experiência na área imobiliária!

No fim de contas acha que a experiência é importante? Se tiver de resolver algum problema com a justiça prefere um advogado estagiário ou um com muita experiência e reputação?

Leia Também: Como pouparam 40.000€ por transferir o Crédito habitação

A compra da casa, normalmente é um dos maiores investimentos de uma vida. Mas normalmente não damos a importância devida, ficamos pela opinião do nosso banco ou de amigos, quase sempre isso sai caro! Ouvimos um spread “redondinho” e é suficiente, e o spread não é assim tão importante como já explicamos!

“Gostaríamos de agradecer à equipa da empresa Decisões e Soluções de Albergaria, em especial à Sra. Alcina Melo pelo apoio no processo de transferência e negociação do nosso crédito habitação, bem como os seguros associados ao crédito, tratados pelo Sr. Frederico Pereira a quem também transmitimos o nosso agradecimento.

Este processo de transferência de crédito possibilitou desde logo uma redução do valor do spread de 2,25% para os atuais 1%, bem como o valor dos seguros associados que reduziram de forma significativa.

Os encargos mensais com o nosso crédito habitação reduziram em cerca de 200€/mês que prolongados pelo restante tempo que falta para terminar o crédito, totaliza uma poupança de aproximadamente 30.000€.

O apoio, empenho e profissionalismo a nós prestado faz com que a nossa família recomende a empresa Decisões e Soluções a todos os nossos conhecidos e a todos os que queiram ver os encargos com o seu crédito habitação serem reduzidos, aliviando assim o orçamento mensal familiar.

Para muitas famílias esta pode ser a diferença entre conseguir manter o compromisso com as instituições bancárias ou ter de abdicar de um projecto de vida por desconhecimento de empresas como a Decisões e Soluções que ajudam a manter esse projecto real.

Hugo Martins”

Vamos a contas para a poupança conseguida por transferir o crédito habitação com os nossos parceiros!

Pouparam 30.000€ no decorrer de todo o crédito, vamos dividir por vários rendimentos mensais:

30.000€/1.500€= 20 meses de trabalho, teria de trabalhar quase mais 2 anos para pagar o crédito!
30.000€/2.000€= 15 meses de trabalho. Teria de trabalhar mais 1 ano para pagar o crédito!
E tudo isto pode ser evitado por trabalhar com profissionais que lhe garantem as melhores soluções do mercado! E tudo isto grátis, fruto da nossa parceria!

Se prefere trabalhar mais anos para pagar o crédito é uma decisão sua! Se prefere poupar preencha este formulário para os nossos parceiros procurarem a melhor solução no mercado para si!




Partilhe este artigo

Facebook Twitter Email LinkedIn Reddit WhatsApp Telegram

Como pouparam 40.000€ por transferir o Crédito habitação

11 de Março, 2019 | por CFinanceiro

São muitos os testemunhos que nos chegam, de pessoas que tiveram ajuda dos nossos parceiros a transferir o crédito habitação.

É importante para nós perceber que trabalhamos com os parceiros certos, e assim continuar ajudar milhares de pessoas que nos seguem! Como foi o caso deste casal que poupou imenso por transferir o crédito habitação.

O que damos mais valor, seja na parceria de crédito habitação, seja na de seguro vida do crédito habitação, é a experiência! Falamos de profissionais com mais de 12 anos no mercado do crédito habitação, ainda complementada com experiência na área imobiliária!
No fim de contas acha que a experiência é importante? Se tiver de resolver algum problema com a justiça prefere um advogado estagiário ou um com experiência e reputação?

A compra da casa, normalmente é um dos maiores investimentos de uma vida. Mas normalmente não damos a importância devida, ficamos pela opinião do nosso banco ou de amigos, quase sempre isso sai caro! Ouvimos um spread “redondinho” e é suficiente, e o spread não é assim tão importante como já explicamos!

Vamos a contas para a poupança conseguida por transferir o crédito habitação no testemunho que poderá ler abaixo.
Pouparam 40.000€ no decorrer de todo o crédito, vamos dividir por vários rendimentos mensais:
40.000€/1.500€= 26 meses de trabalho, teriam de trabalhar mais 2 anos para pagar o crédito!
40.000€/2.000€= 20 meses de trabalho. Teria de trabalhar quase mais 2 anos para pagar o crédito!
E tudo isto pode ser evitado por trabalhar com profissionais que lhe garantem as melhores soluções do mercado! E tudo isto grátis, fruto da nossa parceria!

Se prefere trabalhar mais anos para pagar o crédito é uma decisão sua! Se prefere poupar preencha este formulário para os nossos parceiros procurarem a melhor solução no mercado para si!

Gostariamos de agradecer à equipa da Decisões e Soluções de Albergaria, em especial à sra. Fabiana Pereira pela ajuda com o processo de transferência do nosso crédito habitação. Não só o nosso spread baixou de 1,90% para 1,25%, como também no caso do seguro de vida, com as propostas apresentadas pelo sr. Frederico Henriques o valor baixou perto de 30%, além de que com o novo crédito habitação não é necessário manter os seguros na instituição de crédito para manter o spread.

Através do programa Conta-Poupanças, ficamos a conhecer a existência da vossa empresa. O facto de tratarem directamente com os bancos e conheceram as melhores soluções de mercado foi importante para a nossa decisão, pois evitou que tivessemos que ser nós a andar à procura de uma solução juntos dos vários bancos. Tudo correu de forma clara e rápida, após o primeiro contacto para envio das autorizações e documentação necessária para poderem tratar do processo. As nossas dúvidas foram sempre prontamente esclarecidas, e o apoio foi prestado desde o início até ao final do processo.

Apesar da poupança mensal com a transferência do crédito ser de apenas 20€, como baixamos o prazo de crédito de 36 para 31 anos, esses 5 anos a menos trazem uma poupança adicional superior a 30.000€ no final do empréstimo, fazendo com que no total tenhamos uma poupança de cerca de 40.000€ ao longo da vida do empréstimo. Foi sem dúvida uma boa solução, e já recomendamos os vossos serviços a alguns amigos que também andam a ponderar renegociar os respectivos créditos.

Mais uma vez, obrigado pela ajuda.

Melhores cumprimentos

Suzete e João Granito




Partilhe este artigo

Facebook Twitter Email LinkedIn Reddit WhatsApp Telegram

1031 Visualizações

Compensa juntar créditos pessoais ao crédito habitação?

26 de Fevereiro, 2019 | por CFinanceiro

Juntar créditos pessoais ao crédito habitação, pode compensar! Depende apenas de como é gerida a “poupança” imediata!

Juntar créditos pessoais ao crédito habitação, traz uma poupança imediata naquilo que seria a soma das prestações. Mas analisando friamente as coisas são diferentes.

Começamos pelos prazos, o crédito pessoal tem uma duração muito inferior à de um crédito habitação. Ao juntar o crédito pessoal ao crédito habitação vamos estar a perder em termos de prazo. Porque o valor em crédito pessoal que vamos juntar, passa a ter o mesmo prazo do crédito habitação.

Leia Também: Seguro Vida Crédito Habitação – Dúvidas

Imagine que temos um crédito pessoal no qual pagava 150€/mês, junto ao crédito habitação e pelo mesmo valor passo a pagar 50€/mês. No crédito pessoal faltavam 60 meses para terminar de pagar, ao juntar para o crédito habitação passa a faltar pagar 300 meses.
Contas simples, no crédito pessoal faltava pagar 150€X60= 9.000€, no crédito habitação vai pagar 50€X300= 15.000€. Não há poupança, irá pagar mais 6.000€!

Há forma de ter poupança mas para isso é preciso, POUPAR! Ou seja, com a diferença entre o que pagava(150€) e o que passa a pagar(50€), que neste exemplo são 100€. Deve colocar todos os meses esse dinheiro numa poupança, ou amortizar ao crédito.
Desta forma compensa juntar os créditos pessoais ao crédito habitação! Peça ajuda a profissionais com anos de experiência. Grátis, fruto da nossa parceria!

Na maioria dos casos juntar créditos, é a única alternativa para quem começa a ter dificuldades em sobre algum dinheiro no fim do mês. Nesses casos não só compensa como é quase a ultima alternativa para não entrar em incumprimento com as instituições financeiras. De qualquer forma deve fazer o mesmo processo de colocar a diferença entre o que pagava e passa a pagar, numa poupança, ou amortizar no crédito!
Neste artigo não estamos analisar ao pormenor spreads ou outros produtos que podem influenciar os valores finais. Queremos apenas que tenha atenção e faça as contas como fizemos em relação ao prazo, a importância de ter disciplina e poupar o valor que reduz na sua prestação mensal.

Esperamos que o artigo “Compensa juntar créditos pessoais ao crédito habitação?” lhe seja útil, deixe o seu comentário se tiver alguma dúvida ou sugestão.

Receba dicas de poupança todas as semanas! Subscreva já a nossa Newsletter para receber as dicas de poupança no seu email!


Partilhe este artigo

Facebook Twitter Email LinkedIn Reddit WhatsApp Telegram

Financiamento a 100% no crédito habitação – ainda é possível?

29 de Janeiro, 2019 | por CFinanceiro

Financiamento a 100% no crédito habitação – ainda é possível? A resposta imediata poderia ser: não.

Mas não desista já, porque neste artigo mostramos-lhe algumas formas para conseguir comprar um imóvel com financiamento a 100%.
No início do segundo semestre de 2018, o Banco de Portugal aconselhou os bancos a imporem maiores limitações nos contratos de empréstimo às famílias, nomeadamente a emprestem, no máximo, 90% do valor dos imóveis no caso do crédito habitação.
Este rácio entre o montante do empréstimo e o valor do imóvel dado em garantia deve ser cumprido. Esta recomendação surgiu como medida preventiva ao sobreendividamento e os tem sido seguida por todas as instituições bancárias a operarem em Portugal.
No entanto, o próprio banco central apresentou a exceção dos imóveis que pertencem ao banco. Aqui, no Conselhos do Consultor, apresentamos-lhe outras soluções para conseguir esta percentagem de financiamento.

Leia Também: 6 dicas para conseguir o melhor crédito habitação
Imóveis do banco

Esta é a exceção apresentada pelo Banco de Portugal. É possível comprar com financiamento total imóveis que pertençam aos próprios bancos e para contratos de locação financeira (leasing) imobiliária. Contacte ou consulte os websites imobiliários dos diferentes bancos e veja as opções.
Tenha em conta que alguns dos imóveis podem estar em mau estado, por estarem desabitados ou incompletos. Estas são casas que foram tomadas pelo banco, na maioria das vezes, por incumprimento em processos de empréstimos.

Imobiliárias com parceiras

Esta é uma solução muito semelhante à anterior. Muitas imobiliárias têm acordos com bancos e, por isso, têm uma carteira de imóveis com possibilidade de financiamento a 100%. No entanto, os alertas são os mesmos: analise bem as alternativas antes de tomar qualquer decisão.

Leia Também: E quando há um divórcio, o que se faz com a casa?
Pedir crédito pessoal

Em último caso, pondere pedir um crédito pessoal para atingir o valor de que necessita para finalizar a compra. Esta é uma solução apresentada pelos bancos, especialmente quando há margem para mais uma prestação no rendimento mensal do agregado familiar.
Imagine que num imóvel avaliado em 100 mil euros, o banco só lhe empresta, por via do crédito habitação, 90 mil. Pode pedir um crédito pessoal no valor de 10 mil euros e perfazer, assim, o financiamento a 100%.
Tenha, no entanto, atenção às taxas, comissões e outros encargos, como seguros de vida, que acrescem ao contratualizar este crédito.

Leia Também: Seguro Vida Crédito Habitação – Dúvidas

Note que mesmo com a entrada de 10%, o rácio do financiamento deve ser cumprido.  
Recorra a especialistas, acima de tudo é preciso estar informado das condições de várias instituições financeiras.
Esse é o primeiro passo para começar a poupar logo desde início, o que se torna fácil se recorrer aos serviços de especialistas. Fruto da nossa parceria este serviço, é GRÁTIS! Não tem nada a perder!
Se as dúvidas persistirem ou precisar de algum conselho mais direcionado. Contacte-nos por mensagem privada.  


Partilhe este artigo

Facebook Twitter Email LinkedIn Reddit WhatsApp Telegram

2215 Visualizações

Crédito Habitação: Conceitos que Deve Conhecer

21 de Dezembro, 2018 | por CFinanceiro

Crédito Habitação: Conceitos que Deve Conhecer

Contratar um crédito habitação significa passar por um processo complexo de propostas, avaliações, ponderações e decisões. E significa também, na maioria dos casos, assumir um compromisso financeiro por dezenas de anos. Para que possa colocar todas as dúvidas ao banco e entender todos os termos específicos relacionados com créditos habitação,, preparamos por si um resumo dos principais conceitos de que ouvirá falar:
Taxa fixa ou variável
Escolher se paga uma taxa de juro fixa (acordada entre si e o banco em que contrata o crédito habitação) ou taxa variável (Euribor + Spread) é uma das decisões importantes a tomar. Esta é uma escolha que se reflete até ao final do crédito e que lhe permitirá poupar (ou não) algumas centenas de euros.
A taxa fixa mantém-se inalterada até ao final do contrato. A instituição de crédito define o valor desta taxa, tendo como referência a taxa fixa que se pratica no mercado interbancário para o mesmo prazo: a designada taxa de swap. Por norma, o valor é mais alto do que a taxa da Euribor naquele momento, porque está a pagar a segurança de não ter a prestação aumentada, caso a Euribor dispare. Mas se acontecer o contrário, a prestação também não desce.
Por outro lado, a taxa variável baseia-se no spread (fixado pela instituição bancária) e na Euribor (parcela variável). Assim, quando o valor da Euribor é revisto, a oscilação é também refletida no valor da prestação.  

Leia Também: Crédito habitação: Já compensa fazer taxa fixa?

Euribor
EURIBOR é a sigla de Euro Interbank Offered Rate. Baseia-se na média das taxas de juros praticadas por bancos da Zona Euro, para se financiarem entre si. Esta taxa é usada também como o indexante mais recorrente no crédito à habitação em Portugal. Aqui também pode escolher o prazo em que é revista a taxa, se a 12, 6 ou 3 meses. No final destes períodos, o valor da Euribor é calculado com base na média aritmética simples do mês anterior e fica a vigorar durante o período seguinte. Atualmente, o período mais utilizado é o de 12 meses. Pode consultar aqui a evolução das taxas.
Spread
Spread é, de forma muito simplificada, o preço do dinheiro num crédito. Trata-se da taxa de lucro implícita cobrada pelas instituições bancárias na concessão de um empréstimo. Na determinação desta taxa, o banco pondera não só o risco de crédito do cliente, mas também as garantias do empréstimo, incluindo a relação entre o montante do empréstimo e o valor do imóvel sobre o qual é constituída uma hipoteca (rácio LTV). Para cada contrato de crédito, o banco define um valor concreto, que pode ser negociado através de uma estratégia de cross selling, caso os clientes adquiram outros produtos ou serviços financeiros na mesma instituição.

Leia Também: “Mas tenho um spread ótimo…” O spread não é assim tão importante!

TAN
Taxa Anual Nominal. Apesar de ser anual, esta é uma taxa cobrada todos os meses nas prestações de cada crédito. Trata-se de uma taxa utilizada em operações que envolvam o pagamento de juros totais anuais (que variam caso a escolha tenha recaído sobre a taxa fixa ou a taxa variável).
TAE
Taxa Anual Efetiva. Neste caso, a taxa agrega os valores a TAN + outras despesas, encargos e comissões relacionadas com o processo de empréstimo. Excluem-se aqui os seguros e outros produtos associados. Pode ser uma boa indicação comparativa dos custos de empréstimo, mas, para isso, as soluções a comparar tenham o mesmo montante e o mesmo prazo.  
TAEG
Taxa Anual de Encargos Efetiva Global. Esta taxa agrega todos os encargos que paga pelo crédito, em percentagem relativa ao valor emprestado. Desde início de 2018 que esta taxa substituiu a TAER (Taxa Anual Efetiva Revista), apresentando mais detalhes relativos ao custo efetivo do empréstimo.  É, por isso, a taxa mais utilizada para comparação entre diferentes soluções bancárias.
Taxa de Esforço
O peso que a prestação mensal do crédito habitação tem no rendimento líquido do seu agregado familiar reflete-se na taxa de esforço. Esta é uma salvaguarda ao endividamento, que os bancos utilizam também para decidir a atribuição (ou não) do crédito. Esta taxa não deve ir além dos 40%.
LTV
Loan-to-value. É um dos principais rácios de avaliação do risco de crédito e diz respeito à percentagem do valor do imóvel que é solicitada ao banco. Se antes os LTV poderiam ser de mais de 100%, atualmente os bancos só aprovam, na maioria das vezes, LTVs de, no máximo 80%. Isto dá às instituições uma maior probabilidade de recuperar o seu investimento através da venda da habitação hipotecada, em caso de incumprimentos.
FINE
Ficha de Informação Normalizada Europeia. Este é um documento que os bancos são obrigados a apresentar aos clientes, com todas as informações detalhadas relativas ao crédito à habitação, sempre que for requerida uma simulação de empréstimo. Pode contar com a apresentação deste documento em Portugal ou em qualquer país da União Europeia. Assim, pode comparar as várias propostas de diferentes instituições bancárias.
MTIC
Montante total imputado ao consumidor. É esta sigla que lhe vai indicar o valor total, com todas as comissões, juros, impostos e outros encargos, a pagar durante todo o período de empréstimo. Deve, no entanto, ter em atenção que caso a taxa de juro do seu crédito for variável, o valor do MITC é meramente indicativo.

Leia Também: Crédito à Habitação – MTIC, apenas mais uma sigla?

Seguros
Conceitos como seguro multirriscos e seguro de vida são sempre apresentados aquando a contratação de um crédito habitação. O primeiro é obrigatório por lei, o segundo nem por isso. Mas a maioria das instituições bancárias têm-no como requisito. É possível que surjam também outras opções como o seguro de proteção pagamento ou seguro de recheio de habitação. Pondere as várias possibilidades e analise a sua necessidade antes de aceitar estes produtos.
Comissões
Deve estar preparado para o rol de comissões que serão cobradas no processo de contratação do crédito habitação. Questione a instituição bancária sobre os valores praticados. Estes encargos nem sempre são normalizados e é sempre uma vantagem ter o máximo de informação do seu lado. Pode contar com, pelo menos os seguinte encargos: comissões de avaliação do imóvel, comissão de abertura, Comissão de Preparação da Documentação Contratual, Serviço de Solicitadoria e Comissão de Processamento da Prestação.
Escritura
A escritura é o ato oficial em que se assina o contrato de compra e venda do imóvel. Regista-se a hipoteca, formaliza-se o Crédito Habitação. E a transação, sendo alterada da propriedade do imóvel para o comprador. Para a realização da escritura é necessária a apresentação de diversos documentos, que é, por norma, agilizada pelas instituições bancárias.
Hipoteca
A hipoteca é a garantia que o banco tem sobre o empréstimo. Ou seja, é uma garantia de pagamento de uma dívida na forma de um imóvel, caso haja incumprimento do pagamento monetário.

Leia Também: Novas regras de restrição ao crédito à habitação

Prestação
A prestação é o valor mensal que o cliente paga à instituição que concedeu o crédito habitação. Este valor pode variar, como já foi referido, caso o cliente tenha optado por uma taxa de juro variável ou por uma prestação progressiva (que vai aumentado ao longo dos anos).
Amortização
Amortizar o crédito habitação significa liquidar o valor em dívida na totalidade ou apenas uma parte do montante (amortização parcial) antes da data prevista do fim do contrato de crédito. Este ato permite acelerar o pagamento do financiamento ou, por outro lado, diminuir o valor da prestação mensal. Seja parcial ou total, deve avisar com antecedência a entidade bancária de que pretende fazer uma amortização no empréstimo. Atente a que estes adiantamentos de pagamento têm custos, seja qual for a opção. Se tiver uma taxa variável aplicada ao seu crédito, paga uma comissão de 0,5% do capital reembolsado. Caso a taxa seja fixa, a comissão é de, no máximo, 2% do valor adiantado.  

Leia Também: Taxa Euribor do meu crédito renova este mês, quanto vou passar a pagar?

Agora já está mais familiarizado com os conceitos relacionados com o processo de crédito habitação e pode tomar decisões mais informadas e responsáveis. Se ainda assim persistirem dúvidas, envie-nos uma mensagem. Estamos ao seu dispor.


Partilhe este artigo

Facebook Twitter Email LinkedIn Reddit WhatsApp Telegram

"Mas tenho um spread ótimo…" O spread não é assim tão importante!

10 de Dezembro, 2018 | por CFinanceiro

“Mas tenho um spread ótimo…”, não é fácil “combater” este culto ao spread. Tem sido umas das nossas missões nestes últimos anos.
Felizmente cada vez mais os portugueses fazem contas para alem do spread, o problema é que voltou a luta de spreads por parte dos bancos e as campanhas publicitárias voltam com o “culto” do spread.
Leia Também: Significado de Spread
A nossa luta já é longa, aliás na ultima “batalha” até um live sobre o assunto fizemos como podem ver. “O spread não é assim tão importante como lhe dizem na análise do crédito habitação!”
Grande parte das nossas conversas no chat passam muito por isto:
“Ou seja a Maria nunca fez as contas, é isso? A Maria até pode ter um spread de zero mas se depois tem outros custos altos associados de que lhe vale ter o spread zero?”
“O spread não tem a importância que os clientes lhe dão, importante sim é saber quanto vai pagar no total do crédito, Maria!”
Por favor, não se limitem a olhar para o spread! Na maioria das vezes estão a deixar de poupar milhares de euros!!! Que investidos no mesmo prazo do crédito daria para comprar outra casa!
Um bom exemplo onde deve fazer contas é no seguro vida associado ao crédito, como pode verificar nos seguintes artigos:

Millennium BCP – COMPENSA TER O SEGURO VIDA DO CRÉDITO HABITAÇÃO NO MILLENNIUM BCP?
Santander Totta – COMPENSA TER O SEGURO VIDA DO CRÉDITO HABITAÇÃO NO SANTANDER TOTTA?
Banco CTT – COMPENSA TER O SEGURO VIDA DO CRÉDITO HABITAÇÃO NO BANCO CTT?
Bankinter – 

A famosa “taxa de levantamento” que no final do crédito em alguns casos chegaria para pagar várias prestações do mesmo crédito!

Deixamos algumas dicas de como pode convencer os bancos a dar-lhe as melhores condições no crédito habitação. O que será que é mais valorizado pelos bancos hoje em dia para lhe conseguirem as melhores condições? 6 dicas para conseguir o melhor crédito habitação


Partilhe este artigo

Facebook Twitter Email LinkedIn Reddit WhatsApp Telegram

Crédito Habitação – Uma equipa de profissionais a trabalhar para si!

19 de Novembro, 2018 | por CFinanceiro

Crédito Habitação – Uma equipa de profissionais a trabalhar para si!

Nos dias que correm todo tempo é essencial para desempenhar as diferentes tarefas que se nos deparam quer seja no trabalho, na formação, na escola, em casa ou até mesmo no lazer. Por vezes, há situações em que o dia deveria ter mais horas para poder acabar o exercício, a reunião, a limpeza, a leitura, a conversa ou o jogo com os amigos, só para referir alguns exemplos.

Depois de identificar as principais tarefas do dia-a-dia, o desafio é passar da teoria à prática.

Ora, há decisões na vida que não são fáceis de tomar principalmente se não se tem conhecimento dos seus problemas e benefícios.

A casa é uma das aquisições que mais pesa no orçamento das famílias. Devido ao elevado montante em jogo, convém preparar a compra com alguma antecedência.

Conceitos como tan, tae, taer, spread, taxa de juro, taxa fixa, taxa variável, taxa euribor, não são do conhecimento generalizado do público que necessite de recorrer a um crédito numa instituição bancária. Burocracias e despesas como avaliação do imóvel, prazos e constituição de dossier para dar seguimento ao processo também não são fáceis de gerir. Essencialmente se não tem muito tempo no seu dia-a-dia para esta importante tarefa.

Mesmo que depois tenha ultrapassado estas primeiras dificuldades, surgem outras. Como a decisão da contratualização dos seguros (de vida, da casa, do desemprego).

Perante esta obrigatoriedade, qual a cobertura do seguro a escolher para o meu caso? E se, para baixarem a prestação mensal, lhe propuserem a aquisição de outros produtos? Será que compensa no longo prazo? O orçamento mensal comporta mais essa despesa? E a sua taxa de esforço tem margem para eventualidades?

A solução para estes problemas está à distância de um clique. Sem se levantar da cadeira proponho, a escolha do melhor crédito habitação, seguros e outros produtos financeiros ou encontrar o investimento mais adequado.

Note que este serviço envolve uma equipa profissional na procura e escolha da melhor oferta para a sua necessidade (aquisição de primeira habitação, segunda habitação, construir de raiz, transferência de crédito, etc).
 
Vantagens
  • Obtenção da melhor proposta para o seu crédito à habitação;
  • Rentabiliza o seu tempo para outras tarefas em vez de efectuar pesquisas nos diferentes bancos;
  • Acompanhamento personalizado do processo para o esclarecimento de qualquer dúvida;
  • É grátis fruto da nossa parceria;

Do que espera? Tome a decisão, nós procuramos a solução.

Preencha o seguinte formulário…



Partilhe este artigo

Facebook Twitter Email LinkedIn Reddit WhatsApp Telegram

Compensa ter o seguro vida do crédito habitação no Bankinter?

3 de Outubro, 2018 | por CFinanceiro

Ter o seguro vida do crédito habitação bankinter, bonifica no spread. Será que essa bonificação é suficiente para manter os seguro vida lá?

A cobertura exigida pelo Bankinter é IAD (Invalidez Absoluta e Permanente), como se não bastasse ter a cobertura de invalidez mais baixa ainda colocam apenas cobertura de 50% para cada segurado. Em caso de morte de um dos segurados só metade do crédito fica pago pelo seguro.
Nós recomendamos a cobertura ITP (Invalidez Total e Permanente), é a cobertura mais completa. De qualquer forma vamos fazer comparação para as duas coberturas.
Manter o seguro vida do crédito habitação bankinter bonifica o spread em 0,5%, o Bankinter é um dos bancos que se “agarra” ao seguro vida com mais força, na tabela já vamos perceber porque!
Para fazermos a comparação, fizemos 3 simulações para casais ambos com as idades de 30, 40 e 50 dos proponentes, para um financiamento de 150.000€. Tivemos em atenção as novas regras do Banco de Portugal nos prazos máximos dos créditos.
Na nossa opinião não compensa manter o seguro vida do crédito habitação bankinter! Mesmo na única situação em que compensa, está assumir o risco de ficar apenas com metade do crédito pago.  Este é um daqueles casos em que o spread diz pouco, o spread não é assim tão importante!
Não perca mais tempo comece já a poupar no seu seguro vida, peça já uma simulação e POUPE MILHARES de EUROS!
Outras comparações:

Millennium BCP – COMPENSA TER O SEGURO VIDA DO CRÉDITO HABITAÇÃO NO MILLENNIUM BCP?
Santander TottaCOMPENSA TER O SEGURO VIDA DO CRÉDITO HABITAÇÃO NO SANTANDER TOTTA?
Banco CTT – COMPENSA TER O SEGURO VIDA DO CRÉDITO HABITAÇÃO NO BANCO CTT?

 
Deixamos algumas dicas de como pode convencer os bancos a dar-lhe as melhores condições no crédito habitação. O que será que é mais valorizado pelos bancos hoje em dia para lhe conseguirem as melhores condições? 6 dicas para conseguir o melhor crédito habitação
 
Siga nos no Instagram, dicas regulares sobre finanças pessoais:
https://www.instagram.com/conselhos_consultor/


Partilhe este artigo

Facebook Twitter Email LinkedIn Reddit WhatsApp Telegram

Compensa ter o seguro vida do crédito habitação no Millennium BCP?

23 de Julho, 2018 | por CFinanceiro

Ter o seguro vida do crédito habitação no Millennium BCP, é uma das opções para bonificar o spread. Será que essa bonificação é suficiente para manter os seguro vida lá?

A cobertura exigida pelo Millennium BCP é ITP (Invalidez Total e Permanente), com taxa de cobertura de 100% para cada um dos proponentes.  Cobertura  que recomendamos, é a mais completa.
Apesar de bonificar com a contratação do seguro de vida do crédito habitação no Millennium BCP, a Instituição permite que o cliente faça outro produto para manter a bonificação, para manter a bonificação basta o cliente ter 4 produtos dos seguintes:
(i) Domiciliação no Banco de ordenado/reforma dos Clientes de 1500€/mês ou cartão de crédito /débito (movimentação em pagamentos de compras e serviços com o mínimo de utilização de 2250 € semestre);
(ii) Detenção de Seguro de Vida na Ocidental;
(iii) Detenção de Seguro Multirriscos na Ocidental;
(iv) Cartão de Débito / Crédito (movimentação em pagamento de compras e serviços com o mínimo de utilização de 1500 € semestre);
(v) Crédito ao Consumo, ALD ou Leasing Automóvel com o saldo em divida mínimo no valor de 1500€; (vi) Património Financeiro – Produtos de Capital Garantido de 15000€;
(vii) Domiciliação de 2 pagamentos (electricidade, água, gás, comunicações).
A bonificação dos spreads ocorre desde que o Cliente reúna cumulativamente quatro dos sete requisitos / produtos / serviços elencados.”
Para fazer a comparação, fizemos 3 simulações para casais com as mesmas idades, para as idades de 30, 40 e 50 dos proponentes, para um financiamento de 150.000€

Compensa ter o seguro vida do crédito habitação no Millennium BCP? Não
Outras comparações:
Santander Totta – COMPENSA TER O SEGURO VIDA DO CRÉDITO HABITAÇÃO NO BANCO SANTANDER TOTTA?
Banco CTT – COMPENSA TER O SEGURO VIDA DO CRÉDITO HABITAÇÃO NO BANCO CTT?


Partilhe este artigo

Facebook Twitter Email LinkedIn Reddit WhatsApp Telegram

Compensa ter o seguro vida do crédito habitação no Banco CTT?

11 de Julho, 2018 | por CFinanceiro

Ter o seguro vida do crédito habitação no BancoCTT, bonifica no spread. Será que essa bonificação é suficiente para manter o seguro vida lá?

A cobertura exigida pelo BancoCTT é IAD (Invalidez Absoluta e Permanente) com taxa de cobertura de 100% para cada um dos proponentes.  Nós recomendamos a cobertura ITP (Invalidez Total e Permanente), é a cobertura mais completa. De qualquer forma vamos fazer comparação para as duas coberturas. Há algumas coberturas extra para alem destas bases que falamos mas não relevantes, tendo em atenção que todos os seguros com que fizemos a comparação tem coberturas extra.
O BancoCTT bonifica com a contratação do seguro de vida do crédito habitação no Banco em 0,6%! Imagine que consegue um spread de 1,3%, ao fazer o seguro fora do Banco penaliza para spread base que passaria a ser 1,9%.
“A manutenção do spread contratado de 1,300% pressupõe o cumprimento pontual da obrigação de pagamento do empréstimo e a subscrição e manutenção cumulativa dos produtos e serviços financeiros associados ao empréstimo até ao termo do empréstimo…
No caso de incumprimento das condições anteriormente referidas, aplica-se o spread base ao contrato de crédito. 
…spread base de 1,900%, considerando as taxas atualmente em vigor.”

Leia Também: Compensa ter o seguro vida do crédito habitação no Banco Santander Totta?

Para fazermos a comparação, fizemos 3 simulações para casais ambos com as idades de 30, 40 e 50 dos proponentes, para um financiamento de 150.000€
 

Compensa ter o seguro vida do crédito à habitação do BancoCTT? Compensa nas idades mais jovens, 30 anos e 40 anos, na comparação para um casal de 50 anos já não compensa! A “penalização” de 0,6% torna na nossa opinião o crédito à habitação do BancoCTT pouco competitivo com a generalidade dos concorrentes. Cabe a si comparar, ou pedir ajuda de profissionais especializados em crédito à habitação.
Não perca mais tempo comece já a poupar no seu seguro vida, peça já uma simulação e POUPE MILHARES de EUROS!
Outras comparações:
Millennium BCP – COMPENSA TER O SEGURO VIDA DO CRÉDITO HABITAÇÃO NO MILLENNIUM BCP?
Santander Totta – COMPENSA TER O SEGURO VIDA DO CRÉDITO HABITAÇÃO NO BANCO SANTANDER TOTTA?


Partilhe este artigo

Facebook Twitter Email LinkedIn Reddit WhatsApp Telegram

Novas regras de restrição ao crédito à habitação

10 de Julho, 2018 | por CFinanceiro

Desde o dia 1 de julho que as regras do crédito à habitação e ao consumo foram alteradas.

As novas regras do crédito à habitação prometem restringir o acesso das famílias aos empréstimos realizados a partir do início do segundo semestre deste ano. Em concreto:

Conheça em detalhe cada uma destas três novas regras:

LTV limitados a 90%

O crédito à habitação tem como alvo o rácio LTV. Ou seja, o rácio entre o montante do empréstimo e o valor do imóvel dado em garantia (LTV). O Banco de Portugal recomendou a imposição de limites a este indicador que é tido em conta pelos bancos na negociação das condições de financiamento para a compra de casa. Este rácio recomendado é diferente consoante a natureza do crédito à habitação em causa.(Habitação própria permanente, habitação secundária)
No crédito à habitação própria e permanente, o limite para este indicador é de 90%. Ou seja, assumindo um imóvel avaliado em 100 mil euros, o montante do financiamento não pode ser superior a 90 mil euros.
Créditos com outras finalidades que não habitação própria e permanente, a regra é de 80%, enquanto nos créditos para aquisição de imóveis detidos pelos bancos e para contratos de locação financeira imobiliária, o limite é de 100%.

Taxa de esforço até 50%

A taxa de esforço associada ao contrato de crédito é outro dos alvos da imposição de limites. O teto será de 50%, para o rácio entre o montante da prestação mensal calculada tendo em conta todos os empréstimos que o cliente tem e o seu rendimento (DSTI – debt service-to-income).
Mas há exceções, com limites mais altos para a taxa de esforço. Até 20% do montante total de créditos concedidos por cada instituição financeira, em cada ano, pode ser concedido a famílias com DSTI até 60%. Até 5% do montante total de créditos concedidos por cada instituição, em cada ano, pode ainda ultrapassar os limites previstos a taxa de juro.
O cálculo da taxa de esforço não é um rácio simples. Para a determinação do DSTI, as prestações mensais do novo contrato de crédito devem ser calculadas assumindo que são constantes ao longo do período de vigência do contrato. Mas no caso de contratos a taxa de juro variável e mista, deve ser considerado o impacto de um aumento da taxa de juro. No cálculo dessa taxa de esforço deve ainda ser contabilizada uma redução do rendimento do cliente quando o mutuário tenha mais de 70 anos de idade, exceto se, no momento da avaliação da solvabilidade, este já estiver reformado.

Leia Também: Dicas para elaborar um orçamento familiar

Maturidades dos créditos da casa baixam para 30%

O terceiro limite tem como alvo a maturidade original dos empréstimos. No caso do crédito à habitação, o objetivo é que essa maturidade passe dos 33 anos, em média, que acontecia nos novos empréstimos para a compra de casa, em 2016, para 30 anos. Para já é aplicado um teto de 40 anos nos novos contratos de crédito à habitação e crédito com garantia hipotecária ou equivalente, e convergência gradual para uma maturidade média de 30 anos até final de 2022. Já no crédito ao consumo, o limite é de 10 anos para a maturidade nos novos contratos.
CRÉDITO HABITAÇÃO – UMA EQUIPA DE PROFISSIONAIS A TRABALHAR PARA SI!
Há situações que não são abrangidas pela recomendação do Banco de Portugal fez aos bancos:

  • Os contratos de crédito destinados a prevenir ou a regularizar situações de incumprimento;
  • Os contratos de crédito cujo montante total seja igual ou inferior a dez vezes o ordenado mínimo mensal;
  • Os contratos de crédito sob a forma de facilidades de descoberto e outros créditos sem plano de reembolso definido (incluindo cartões e linhas de crédito);
  • Os contratos de crédito celebrados ao abrigo do regime de concessão de crédito bonificado à habitação a pessoa com deficiência.

 
De salientar que são apenas recomendações mas a maioria dos bancos já está a colocar em pratica as novas regras do crédito à habitação!
Fonte: ECO


Partilhe este artigo

Facebook Twitter Email LinkedIn Reddit WhatsApp Telegram

Compensa ter o seguro vida do crédito habitação no Banco Santander Totta?

26 de Junho, 2018 | por CFinanceiro

Ter o seguro vida do crédito habitação no Banco Santander, bonifica no spread. Será que essa bonificação é suficiente para manter os seguro vida lá?

A cobertura exigida pelo Santander Totta é IAD (Invalidez Absoluta e Permanente) com taxa de cobertura de 100% para cada um dos proponentes.  Nós recomendamos a cobertura ITP (Invalidez Total e Permanente), é a cobertura mais completa. De qualquer forma vamos fazer comparação para as duas coberturas, embora na cobertura ITP do Banco Santander a invalidez seja aos 75%, na maioria são activadas aos 66% e começa haver cada vez mais oferta dos 60%.
Apesar de bonificar com a contratação do seguro de vida do crédito habitação no Banco Santander, a Instituição permite que o cliente faça outro produto para manter a bonificação, por exemplo um PPR ou cartão de crédito. Tem de escolher 4 produtos, a conta ordenado e mais 3 produtos à escolha dos seguintes:

  • Possuir, durante o último trimestre, no mínimo, uma ordem de pagamentos domésticos a favor de terceiros, emitida sobre a sua conta à ordem;
  • Ser detentor de cartão de crédito activo. com média de utilização mensal mínima de 100€(cem Euro) durante o último trimestre;
  • Ter um crédito pessoal ou automóvel contratado junto do Banco com capital em divida no mínimo de 1 000€. Estão expressamente excluídos os empréstimos contraídos para a renegociação e/ou regularização de dívidas em atraso;
  • Possuir Depósitos de entregas programadas com saldo mínimo igual ou superior a 1.000€ (mil Euro). ou manter plano periódico nesses depósitos com entregas mensais líquidas com montante mínimo igual ou superior a 25 € (vinte cinco Euro) por mês, durante o último trimestre. As entregas consideradas nesta rubrica são deduzidas das eventuais mobilizações antecipadas efectuadas no trimestre.
  • Possuir saldo médio trimestral de Depósitos à Ordem, Depósitos a Prazo, Depósitos Indexados e Contas Rendimento e Poupança igual ou superior a 1.000 (mil Euro), excluindo os Produtos de Poupança de entregas programadas indicados no ponto anterior;
  • Possuir Seguro de Vida, Seguro de Desemprego ou Seguro de Saúde, excluindo os seguros directamente associados à contratação do empréstimo e que sirvam como garantia do mesmo.

 
Para fazermos a comparação, fizemos 3 simulações para casais ambos com as idades de 30, 40 e 50 dos proponentes, para um financiamento de 150.000€

 
Compensa ter o seguro vida do crédito habitação Santander? Não!
Não perca mais tempo comece já a poupar no seu seguro vida, peça já uma simulação e POUPE MILHARES de EUROS!
Outras comparações:
Millennium BCP – COMPENSA TER O SEGURO VIDA DO CRÉDITO HABITAÇÃO NO MILLENNIUM BCP?
Banco CTT – COMPENSA TER O SEGURO VIDA DO CRÉDITO HABITAÇÃO NO BANCO CTT?


Partilhe este artigo

Facebook Twitter Email LinkedIn Reddit WhatsApp Telegram

Euribor negativa: o que vai alterar com a nova lei?

4 de Junho, 2018 | por CFinanceiro

A lei da euribor negativa foi aprovada, segue para o Presidente da República, que decidirá sobre a sua promulgação.  A medida pretende obrigar a banca a “descontar” na totalidade a euribor nas prestações do crédito habitação. Quer isto dizer que os clientes dos bancos com créditos à habitação vão ter direito a um crédito de juros sempre que a taxa entrar em valores negativos. Mas, afinal, o que é que vai alterar com a lei da euribor negativa?
Bolsa de juros
A nova legislação prevê que os bancos possam criar um crédito de juros a favor dos clientes, a deduzir ou a descontar quando as taxas de juro voltarem a atingir valores positivos. O objetivo é facilitar a operacionalização da medida e evitar que os bancos tenham de pagar agora uma pequena parte dos empréstimos.
Válida para todos os contratos
As novas regras serão válidas para os novos contratos e contratos atuais, mas sem efeitos retroativos.
Leia também: 6 DICAS PARA CONSEGUIR O MELHOR CRÉDITO HABITAÇÃO
Dez dias para rever o indexante
A partir do momento que a lei for promulgada, os bancos têm de rever o valor do indexante para perceber se a taxa de juro final global assume valores negativos.
Publicidade obrigada a veicular esta informação
Todas as comunicações e campanhas publicitárias relativas ao crédito à habitação deverão ser esclarecedoras quanto à nova medida. Deverá ser feita referência à possibilidade da taxa de juro aplicada poder assumir valores negativos em função da evolução do respetivo indexante.
Caso seja promulgada, a lei da euribor negativa entrará em vigor no dia seguinte à sua publicação em Diário da República.
Fonte: Jornal de Negócios


Partilhe este artigo

Facebook Twitter Email LinkedIn Reddit WhatsApp Telegram

1313 Visualizações

6 dicas para conseguir o melhor crédito habitação

28 de Abril, 2018 | por CFinanceiro

Hoje em dia, já não é tão fácil conseguir um crédito habitação, devido as novas regras de restrição ao crédito à habitação, para conseguir as melhores condições, tem de “convencer” o banco.

A economia Portuguesa tem estado a melhorar nos últimos anos. Depois da troika sair de Portugal a economia começou a dar os primeiros sinais de retoma, por consequência a oferta de crédito habitação aumentou assim como as condições de obtenção. Saiba como pode convencer os bancos a dar-lhe as melhores condições no crédito habitação.

Como pode convencer os bancos a dar-lhe as melhores condições no crédito habitação

O que será que é mais valorizado pelos bancos hoje em dia para lhe conseguirem as melhores condições? Deixamos-lhe algumas respostas.

Não ter Incidentes Bancários

 O termo cadastro é normalmente utilizado na via judicial, mas se é cliente bancário há muitos anos, para pedir um empréstimo é fundamental que não tenha nenhum histórico de incumprimento. Quando pede um empréstimo, o banco vai analisar o seu histórico e perceber se é ou não cumpridor. Caso seja, é uma mais-valia para o processo porque gera a confiança do banco. Já pode consultar as suas responsabilidades em créditos no site do Banco de Portugal.

Ter Fiadores

É comum os bancos pedirem um fiador e esta garantia pode ajudar em muito a convencer um banco a ceder-lhe um crédito com as melhores condições. Ter fiadores é crucial para aprovação do crédito, no caso de ter um contrato a termo.

Leia Também: “Mas tenho um spread ótimo…” O spread não é assim tão importante!

Ter Bons Saldos Médios e Capacidade de Aforro

Os bancos dão imensa importância á capacidade de poupança dos clientes.  Entendem que, quanto melhores forem os saldos médios e com tendência crescente, maior será a probabilidade de o cliente ser financiável e assim conseguir o melhor crédito habitação. Entenda-se por saldo médio, a média do saldo inicial e final do período (por exemplo: saldo mensal médio). Se um cliente inicia o mês com 1000€ de saldo e termina com 1200,00€, mês após mês, significa que os saldos médios são de 1000,00€ e qualquer coisa euros, e têm uma capacidade de aforro de 200,00€ mensais.
A capacidade de poupança mensal dos clientes é muito importante actualmente numa defesa de uma operação de financiamento. Mais do que ter rendimentos (sejam médios ou elevados), o cliente deve evidenciar que consegue poupar.
Se um cliente ganha 1.000€ e gasta o mesmo valor (pagando os seus encargos actuais e despesas mensais), não terá certamente financiamento, pois evidencia padrões consumistas e o Banco prefere não financiar.
Se um cliente ganha 1.000,00€ e só gasta 600,00€ (encargos actuais e despesas mensais), já evidencia capacidade de endividamento, pelo que será passível a análise do processo.
Clientes que não consigam aforrar, e que com regularidade utilizem o plafond  da conta ordenado, também dificilmente será analisado o processo com vista a aprovação.

Junte dinheiro para dar de entrada

Se quer mesmo convencer o banco a dar-lhe um empréstimo, é cada vez mais importante arranjar dinheiro para dar uma entrada para o seu empréstimo. As entidades já não concedem créditos a 100%, a “norma” é cada vez mais os 80%, o que faz com que seja mesmo necessário ter algum capital pronto a ser investido.

Conhecer a sua taxa de esforço

Antes de se comprometer com um crédito habitação, é importante que saiba até onde é que pode ir.  A melhor forma para verificar essa situação é através do cálculo da taxa de esforço.
A taxa de esforço é a percentagem do rendimento familiar, que é destinada ao pagamento de prestações de crédito(Novas Regras). Este indicador não deverá ser alto, caso contrário, estará a absorver uma parte significativa do rendimento e, em caso de situação de emergência, poderá não conseguir fazer face ao compromisso financeiro com o banco, ou às despesas mensais mais elementares. A taxa de esforço de um agregado familiar não deve ser superior a 35%, ou seja, no conjunto, todos os empréstimos não devem exceder 35% dos rendimentos.
Taxa de esforço = (Encargos financeiros mensais / Rendimento) x 100
Por exemplo, uma família com rendimentos mensais de 2.000 euros, que tenha um crédito à habitação no valor de 500 euros e um crédito automóvel no valor de 300 euros, terá uma taxa de esforço de 40%, acima dos 35%. Os seus encargos com créditos não deveriam ser superiores a 750€.

Trabalhar com profissionais especializados


Note que estes serviços normalmente envolve uma equipa profissionais na procura e escolha do melhor crédito habitação para a sua necessidade (aquisição de primeira habitação, segunda habitação, construir de raiz, transferência de crédito, etc). Conhecem todos os produtos que existem no mercado e qual se adequa melhor a si!


Partilhe este artigo

Facebook Twitter Email LinkedIn Reddit WhatsApp Telegram

Crédito à Habitação – Novas regras de análise da Solvabilidade dos Clientes

27 de Fevereiro, 2018 | por CFinanceiro

Novas regras de análise da Solvabilidade dos Clientes: o Regulador estipulou critérios(Diretiva de Crédito Hipotecário (DL nº74-A/2017 do BP))  mais apertados de solvabilidade e a necessidade da entrega de comprovativos de mais informação para a análise.
Leia Também: Sabe o que vai mudar no crédito à habitação em 2018?
Novos parâmetros a serem considerados no cálculo da Taxa de Esforço
• Seguros e outros encargos de natureza pessoal e familiar;
• Cenários de agravamento da taxa de juro: no caso do Crédito Habitação (créditos com duração superior a 5 anos) irá considerar-se 3 pontos percentuais;
• Idade da Reforma: nos casos em que o financiamento ultrapassa essa idade será contabilizada a redução no rendimento;
• Avais / Fianças: serão contabilizados os encargos de empréstimos onde o proponente em análise seja avalista / fiador;
• Contrato de trabalho: Quando o contrato de crédito vigora para além do termos do contrato de trabalho, implica a apresentação de fiadores/ avalistas;
• Carência de Capital / Valor Residual: Nestes contratos será considerado o montante total da prestação (e não o previsto por estas situações específicas).


Partilhe este artigo

Facebook Twitter Email LinkedIn Reddit WhatsApp Telegram

Crédito à Habitação – MTIC, apenas mais uma sigla?

26 de Fevereiro, 2018 | por CFinanceiro

 
Eis que surge mais uma Sigla, o MTIC, Montante Total Imputado ao Consumidor. Não temos nada contra siglas, taxas ou taxinhas, muito pelo contrário, tudo o que seja para ajudar a clarificar os custos de quem contrata um crédito é muito bem-vindo!
O MTIC não é mais que a soma do montante total do empréstimo (capital) com os custos associados ao crédito (juros, comissões bancárias, seguros(é aqui que a coisa complica mas falamos mais à frente)e outros encargos).
Vamos agora imaginar um cenário, um cliente pede uma simulação a dois bancos, num dos bancos é lhe apresentada uma simulação com o seguro vida com a cobertura mais abrangente a Invalidez Total e Permanente e o seguro multiriscos tem a cobertura de sismos, no outro banco é lhe apresentada uma simulação com o seguro vida com a cobertura menos abrangente a Invalidez Absoluta e Definitiva e cobre apenas 50% de cada segurado(mesmo que consiga activar esta cobertura só metade do crédito fica pago), o seguro multirisco neste caso não tem cobertura de sismos. Acha que o MTIC faz algum sentido nesta situação? Ou é apenas mais uma ferramenta que vem “complicar” dada a importância que lhe é dada neste momento?
Leia Também: Crédito à habitação. Já compensa fazer taxa fixa?
De alguma forma já falamos sobre estas comparações no live que fizemos sobre o spread não ser assim tão importante como nos querem fazer parecer:

 
Qualquer taxa, ou soma de totais só faz sentido funcionar como método de comparação se estivermos a comparar coisas iguais! Não vos parece? É que no exemplo que demos estamos a falar de uma diferença de vários milhares de euros. Até porque como sabe os seguros vida feitos nas “companhias dos bancos” são caríssimos. E tenham atenção que o exemplo que usamos para a cobertura mais baixa de seguro vida não é um exagero nosso, é apenas e só a cobertura base usada nas simulações de um dos bancos mais “competitivo em termos de spread”, com a importância que damos ao spread conforme o video acima!
Para perceberem melhor a ideia podem ver a reportagem do Contas-Poupança e a página do Banco de Portugal, embora nenhum tenha em atenção esta questão da comparação:
http://sicnoticias.sapo.pt/programas/contaspoupanca/2018-01-31-MTIC-a-sigla-que-o-pode-ajudar-a-poupar-milhares-de-euros
Página do Banco de Portugal que sabe sobre o MTIC:
https://www.bportugal.pt/page/mtic-uma-sigla-do-credito-que-vale-pena-decorar
Na nossa opinião a única forma de tornar “credíveis” estas taxas(Taeg,…) e somas de totais é criar uma simulação base onde todas as coberturas dos seguros deverão ser iguais! Fica a nossa sugestão!


Partilhe este artigo

Facebook Twitter Email LinkedIn Reddit WhatsApp Telegram

Seguro Vida do Crédito à Habitação – Escolha Acertada DECO

11 de Janeiro, 2018 | por CFinanceiro

A DECO volta a divulgar a sua escolha acertada para o seguros vida do crédito à habitação.
O banco exigi-lhe um seguro de vida e um multiriscos-habitação para lhe conceder o crédito habitação. Se o pior lhe acontecer, ao menos, a família fica com a casa paga. Ou… talvez não. Depende das coberturas… Diferença entre as principais coberturas(ITP e IAD)
Apesar de excelente análise que a DECO faz deste assunto temos de discordar da seguinte afirmação:

Em alguns casos, o que poupa com a bonificação do spread é inferior àquilo que pode pagar a mais em seguro de vida durante todo o empréstimo, comparando com outras apólices disponíveis no mercado.

E discordamos porque neste momento não conhecemos no mercado nenhum banco em que compense fazer o seguro vida mesmo com a bonificação, seja crédito novo ou transferência, na vigência total do crédito tem poupança em fazer o seguro fora do banco. E a maioria logo no primeiro ano! E passam pelas “mãos” dos nossos consultores e parceiros milhões de euros para aprovação de crédito todos o meses!
Peça ao banco um projecção do pagamento do seguro ao longo de todo o crédito, normalmente já está na simulação do crédito mas tenha atenção à cobertura que lá é apresentada. Há bancos a colocar apenas a cobertura IAD e apenas 50% para cada uma das pessoas seguras, é uma forma de diminuir as taxas de referencia! Fizemos um video onde falamos sobre o calculo dessas taxas.
E depois peça uma simulação, vai receber as melhores propostas do mercado para o seu processo e depois é só fazer contas no nosso simulador.
Não deixe de ver também: 📹 ⏺️ LIVE SOBRE O SEGURO VIDA DO CRÉDITO À HABITAÇÃO
A DECO fala também em fazer uma apólice para cada segurado e apólices com coberturas fraccionadas, conforme a tabela:

No artigo também é abordado o facto de os bancos não poderem impor uma seguradora aos clientes de crédito à habitação. Nunca é demais relembrar porque ainda há algum desconhecimento sobre isso e muitas vezes é usado em favor do banco. Desde 2009 que esta situação está bem definida em decreto lei!
Segue a tabela com o TOP seguros de vida para crédito à habitação com a escolha acertada da DECO:
Peça já uma simulação para saber quanto pode poupar!
E não podíamos deixar de terminar este artigo com a mesma frase que termina o artigo da DECO.

Ora, se não pode evitar morrer, ao menos tente pagar o menos possível.

Fonte: Revista Dinheiros & Direitos Jan/Fev 2018


Partilhe este artigo

Facebook Twitter Email LinkedIn Reddit WhatsApp Telegram

📹 ⏺️ Live sobre o Seguro Vida do Crédito à Habitação

27 de Dezembro, 2017 | por CFinanceiro

Live sobre o seguro vida do crédito à habitação onde foi dada resposta a várias duvidas colocadas antes e durante a live!

Faça já uma simulação para saber quanto pode poupar com a transferência do seguro vida do seu crédito! SIMULE JÁ!
Leia também: O que distingue as coberturas Invalidez Total e Permanente (ITP) Vs Invalidez Absoluta e Definitiva (IAD)
Criamos o grupo do Conselhos do Consultor no Facebook com o intuito de perceber as duvidas de quem acompanha o nosso blog e a nossa página para assim conseguir criar conteúdo que vá de encontro ás suas necessidades! https://www.facebook.com/groups/conselhosdoconsultor/
Adira e convide os seus amigos!


Partilhe este artigo

Facebook Twitter Email LinkedIn Reddit WhatsApp Telegram

Calculadora de Taxa de Esforço