Crédito à Habitação – MTIC, apenas mais uma sigla?

 

Eis que surge mais uma Sigla, o MTIC, Montante Total Imputado ao Consumidor. Não temos nada contra siglas, taxas ou taxinhas, muito pelo contrário, tudo o que seja para ajudar a clarificar os custos de quem contrata um crédito é muito bem-vindo!

O MTIC não é mais que a soma do montante total do empréstimo (capital) com os custos associados ao crédito (juros, comissões bancárias, seguros(é aqui que a coisa complica mas falamos mais à frente)e outros encargos).

Vamos agora imaginar um cenário, um cliente pede uma simulação a dois bancos, num dos bancos é lhe apresentada uma simulação com o seguro vida com a cobertura mais abrangente a Invalidez Total e Permanente e o seguro multiriscos tem a cobertura de sismos, no outro banco é lhe apresentada uma simulação com o seguro vida com a cobertura menos abrangente a Invalidez Absoluta e Definitiva e cobre apenas 50% de cada segurado(mesmo que consiga activar esta cobertura só metade do crédito fica pago), o seguro multirisco neste caso não tem cobertura de sismos. Acha que o MTIC faz algum sentido nesta situação? Ou é apenas mais uma ferramenta que vem “complicar” dada a importância que lhe é dada neste momento?

Leia Também: Crédito à habitação. Já compensa fazer taxa fixa?

De alguma forma já falamos sobre estas comparações no live que fizemos sobre o spread não ser assim tão importante como nos querem fazer parecer:

 

Qualquer taxa, ou soma de totais só faz sentido funcionar como método de comparação se estivermos a comparar coisas iguais! Não vos parece? É que no exemplo que demos estamos a falar de uma diferença de vários milhares de euros. Até porque como sabe os seguros vida feitos nas “companhias dos bancos” são caríssimos. E tenham atenção que o exemplo que usamos para a cobertura mais baixa de seguro vida não é um exagero nosso, é apenas e só a cobertura base usada nas simulações de um dos bancos mais “competitivo em termos de spread”, com a importância que damos ao spread conforme o video acima!

Para perceberem melhor a ideia podem ver a reportagem do Contas-Poupança e a página do Banco de Portugal, embora nenhum tenha em atenção esta questão da comparação:
http://sicnoticias.sapo.pt/programas/contaspoupanca/2018-01-31-MTIC-a-sigla-que-o-pode-ajudar-a-poupar-milhares-de-euros

Página do Banco de Portugal que sabe sobre o MTIC:
https://www.bportugal.pt/page/mtic-uma-sigla-do-credito-que-vale-pena-decorar

Na nossa opinião a única forma de tornar “credíveis” estas taxas(Taeg,…) e somas de totais é criar uma simulação base onde todas as coberturas dos seguros deverão ser iguais! Fica a nossa sugestão!

Deixar uma resposta